E os que nunca ouviram?

Image

Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? Romanos 10:14

Um dos problemas lógicos que aflige muitos crentes com uma cosmovisão frágil a respeito da doutrina da salvação (falo com amor, pois já fui um deles) é a eterna questão: se Deus possibilita salvação a todos, como, então, será a situação dos que nunca tiveram a oportunidade de ouvir sobre Jesus e sua obra no dia do Juízo? Existem três posições diante desta questão. 1) manter a dúvida. 2) aceitar que Deus os julgará segundo a “luz” que receberam. 3) Aceitar que Deus as encerrou eternamente em condenação. Analiseremos cada uma destas respostas bem como a própria validade da questão.

Iniciei dizendo que esta questão surge de uma cosmovisão frágil das Escrituras; pois é exatamente isto que se sucede. Todos os que tem esta dúvida não tem uma compreensão sólida do ensino das Escrituras a respeito da Salvação e, portanto, não conseguem respondê-la com objetividade. Uma questão que é difícil na cosmovisão arminiana (a que crê que Deus deu possibilidade de salvação a todos, cabendo ao homem livremente aceitá-la ou rejeitá-la exercendo seu livre-arbítrio) é facilmente solucionável na cosmovisão reformada ou calvinista.

Quero demonstrar, de início, que biblicamente esta questão começa de pressuposições erradas, portanto, não tem qualquer validade racional. O motivo desta minha asserção é simples: o questionamento inegavelmente surge da pressuposição de que Deus quer salvar todos os homens e ofereceupossibilidade de salvação a todos. Se esta premissa for falsa, não haverá sequer espaço para a pergunta “e os que não ouviram?”.

São Paulo afirmou “Porque diz a Escritura a Faraó: Para isto mesmo te levantei; para em ti mostrar o meu poder, e para que o meu nome seja anunciado em toda a terra. Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer.” (Romanos 9:17-18). Paulo está, neste texto, defendendo a doutrina da Eleição Incondicional, pela qual afirma-se que Deus determinou previamente os que seriam salvos e os que seriam condenados. Desta forma, a humanidade estaria separada em duas classes de pessoas, aquelas destinadas ao céu, e aquelas destinadas ao inferno. E Deus, segundo Paulo, tem total direito de fazê-lo, sem que nós ousemos reclamar, pois ele é justo e nós infratores e merecedores de condenação. É por isso que disse São Lucas que “creram todos quantos estavam ordenados para a vida eterna” (Atos 13:48). E também o próprio Paulo aos efésios, quando diz “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade.” (Efésios 1:3-5).

Fica evidente, portanto, que Deus tem pleno direito de eleger pessoas para condenação e pessoas para salvação. Isto não fere seu caráter, ao contrário, o confirma, pois ele é Justo e Santo. Dado que a premissa para a polêmica questão foi destruida, vemos que ela não tem qualquer base racional. Entretanto, vamos supor por um momento que a premissa é verdadeira. Analisemos, então, as três respostas que se podem dar.

1. Manter a dúvida. Atitude desaconselhável. “Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento.” (Provérbios 3:13).

2. Deus os julgará segundo a luz que receberam. Esta resposta invariavelmente leva você a cometer uma heresia. O Apóstolo Pedro nos afirmou que “em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” (Atos 4:12). Paulo, em Romanos 10:14 (o texto do começo do artigo) coaduna com a doutrina da exclusividade de Cristo, pois supõe que os pagãos que não ouviram ainda não creram. E sequer poderão crer se não ouvirem. Ainda em Romanos 3, Paulo afirma a depravação de todos os homens, e Jesus em João 3 afirma que quem não crê no Filho já está condenado e que sobre tal homem permanece a ira de Deus. Fica difícil, diante de tamanha evidência bíblica, suportar uma resposta que afirme que alguém pode ser salvo sem ouvir de Cristo. Não obstante, os que afirmam isso baseam seu ensino em Romanos 2:10-16, onde se lê:

Glória, porém, e honra e paz a qualquer que pratica o bem; primeiramente ao judeu e também ao grego; Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas. Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados. Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados. Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei; Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os; No dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo, segundo o meu evangelho.” Romanos 2:10-16 

Os que gostam de citar este texto frequentemente frisam os seguintes trechos: “Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas” e “não tendo eles lei, para si mesmos são lei”. Pois bem. A afirmação é a seguinte: Deus colocou um pouco de sua Lei no coração do índio americano que nunca ouviu falar de Jesus de modo que este índio será julgado por esta lei, e pode ser salvo se a cumprir. Agora, o que tais pessoas não percebem, ou desonestamente não gostam de frisar, é a parte do texto onde Paulo afirma “Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão”. Ora, o propósito de Paulo neste texto jamais foi provar que os gentios podem ser salvos sem Cristo, apenas cumprindo a lei escrita em seus corações, outrossim ele contradiria a si mesmo e ao Evangelho. O propósito dele é afirmar que exatamente porque Deus colocou esta lei em seus corações, todos estes gentios serão condenados, pois tornam-se indesculpáveis. A tolice do argumento fica ainda mais evidente quando se diz que, se dizemos que um gentio pode ser salvo cumprindo a lei de seu coração, então devemos concluir que um judeu pode ser salvo cumprindo a Lei mosaica. Evidente é que, tanto para um, como para outro, cumprir esta Lei é impossível e, portanto, todos estão debaixo de condenação. O argumento que Paulo inicia ao afirmar que “Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei” é exatamente para provar que eles têm a lei implantada em seus corações, não havendo injustiça nenhuma em Deus condená-los.

3. Aceitar que Deus os encerrou eternamente em condenação. Esta é, para surpresa de muitos, a posição que devemos sustentar se queremos seguir o que nos ensina a Palavra de Deus. Lembrando sempre em confiar em Sua soberana vontade. Deus é justo, nós não. Portanto, Ele define o que é justiça, não nós.

Anúncios

Sobre Matheus Henrique

Crente em Jesus Cristo!
Esse post foi publicado em Estudos Bíblicos e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para E os que nunca ouviram?

  1. A.C disse:

    Me surgiu algumas duvidas lendo seu artigo.

    Como se descobre quem Deus elegeu? e quem ele condenou? Se um sujeito passa a vida sem conhecer o evangelho e, consequentemente , no pecado , sendo ele um ‘eleito’ ele será salvo instantaneamente ? Sendo eu fiel e temente a Deus ,serei condenado (ou ja fui) por não ser um dos “eleitos” ? Se os homens de Deus são todos predeterminados a salvação e as outras pessoas predeterminadas a danação, qual é o sentido de se evangelizar? pra que pregar, e espalhar a mensagem?

    Agradeço a atenção. Shalom.

    • Matheus Henrique disse:

      Olá A. C,

      Primeiramente agradeço sua pergunta e interesse. Seu questionamento é bastante pertinente e importante. De fato, por não entender corretamente a doutrina da Eleição considerando-se a totalidade das Escrituras muitos podem ser levados a erros extremos.

      Vejamos suas perguntas:

      “Como se descobre quem Deus elegeu? e quem ele condenou?” Dado que ‘eleito’ é apenas um sinônimo para ‘verdadeiramente salvo’ o questionamento poderia ser refeito da seguinte maneira: “como se descobre quem é salvo? E quem não é salvo?”. Estou colocando as coisas nestes termos pois, dependendo de sua cosmovisão cristã, responder a esta pergunta pode ser mais fácil. E a resposta uníssona das Escrituras é que é salvo aquele que verdadeiramente foi regenerado, isto é, reconheceu, por milagre, sua natureza pecaminosa e digna de condenação, voltou-se para Deus em arrependimento e está em contínuo estado de santificação e perseverança na fé em Cristo.

      Dito isto, prossigamos com sua dúvida. “Se um sujeito passa a vida sem conhecer o evangelho e, consequentemente, no pecado, sendo ele um ‘eleito’ ele será salvo instantaneamente? Sendo eu fiel e temente a Deus, serei condenado (ou ja fui) por não ser um dos “eleitos”?” Não. Não há como se entender a doutrina da Eleição sem entender a doutrina da Santificação. São doutrinas inseparáveis. Apegar-se a uma delas e desconsiderar a outra em nossas ponderações pode nos levar por caminhos perigosos. Eis alguns textos das Escrituras que mostram este relacionamento:

      “Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.”
      Romanos 8:29

      “Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor;”
      Efésios 1:4

      “Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.”
      Efésios 2:10

      Leia cada um destes textos atentamente. Todos eles tratam de Eleição (ou Predestinação). O curioso a se notar é que em todos eles o Apóstolo Paulo relaciona inequivocamente eleição e santificação. Deus não elegeu ninguém para ser salvo no último dia apenas sem qualquer conexão com sua vida terrena. Nossa salvação inicia nesta vida. A economia da salvação envolve um processo contínuo que engloba desde a eternidade passada, com o decreto de Deus estabelecendo os eleitos e réprobos, o tempo presente que engloba nossa regeneração, justificação, santificação e, no futuro, nossa glorificação, onde com Ele estaremos eternamente. É um processo que, quando torna-se manifesto na dimensão temporal é contínuo e ininterrupto. Veja o texto de Romanos com mais clareza: “Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou.” (Romanos 8:29-30). Note que neste texto Paulo fala do processo passado na eternidade (“os que dantes conheceu”), o processo presente de chamada e conversão (” aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou”) e o futuro da glorificação (“a estes glorificou”).

      Em todos estes textos temos a presença, ainda, do elemento Santificação. Paulo nos ensina que Deus nos elegeu não para que fôssemos estar com Ele apenas. Deus nos elegeu para nos santificar, separar para Si mesmo como Seu povo. Ninguém tem o direito de afirmar-se um eleito se não demonstra isso com sua vida. Paulo afirmou que Deus nos predestinou “PARA sermos conforme a imagem de seu filho”, nos elegeu “para que fôssemos santos e irrepreensíveis” bem como somos criados “em Cristo Jesus para as boas obras”. Toda Eleição genuína provará sua existência com frutos. O trabalho de Deus na vida de um pecador é completo. Ele regenera, justifica E santifica, isto é, separa cada vez mais o crente do pecado. Isso, evidentemente, só terá cumprimento final na vida eterna e na glorificação.

      Vemos porém quel, como afirmou J. C. Ryle, proeminente bispo anglicano, é inútil falar em eleição que não envolva santificação. Isto gera, evidentemente, orgulho. É uma eleição infundada e insustentável. Desta forma, sua pergunta sobre uma pessoa que viveu em pecado toda uma vida tem agora uma fácil resposta: esta pessoa nunca foi eleita! Deus não elege alguém e deixa tal homem viver imerso em pecado e rebelião a Ele como se nada tivesse acontecido. A eleição é a CAUSA da transformação interior do homem. Onde não há esta transformação, não há eleição. De igual modo, alguém que verdadeiramente arrependido voltou-se para Deus e viveu uma vida diante dEle evidenciando frutos de sua santificação, tal pessoal é eleita. Pois os mortos espiritualmente não podem evidenciar salvação continuamente sem possuí-la. Podem, por um tempo, enganar a alguns, sim. Mas não para sempre. A obra do Espírito é única e não fica sem evidências.

      Por último, sua pergunta sobre o sentido da evangelização. Bom, evangelizar é preciso pois é o modo como Deus ordenou para que os eleitos sejam chamados, pois lemos “ide e pregai o Evangelho”. O sentido glorioso em pregar o Evangelho é que sabemos, com certeza, que os eleitos estão aí e Deus em sua graça os trará como fruto para o nosso trabalho. Ao contrário de produzir ócio, isso deve produzir trabalho mais árduo e contínuo em prol do Reino! É um erro afirmar que “os eleitos virão de qualquer jeito” uma vez que Deus também determinou o jeito que eles devem vir, e o jeito é sendo chamados pela pregação do Evangelho.

      Há muito, mas muito mais a ser dito, claro. Espero ter começado a esclarecer sua dúvida. Não deixe de prosseguir conhecendo o ensino de Cristo. Há muitos tesouros escondidos nas doutrinas da graça. Espero que você possa encontrá-los o quanto antes!

      Paz!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s